quinta-feira, 7 de junho de 2012

Percepções sobre a assexualidade por pessoas não assexuais





O artigo sobre o qual falaremos hoje é um dos poucos artigos acadêmicos sobre assexualidade escritos em espanhol. De autoria do Professor Luis Álvarez Munárriz, catedrático de Antropologia Social da Universidade de Murcia, na Espanha, o trabalho apresenta reflexões sore assexualidade, bem como alguns resultados de entrevistas feitas por ele com o objetivo de conhecer um pouco mais sobre o que as pessoas pensam sobre esse tema.
Fiz um recorte dos temas do artigo para focar somente na pesquisa empírica feita pelo professor, bem como seus resultados e conclusões. Nesta pesquisa empírica, Munárriz conversou com diversos entrevistados, na universidade na qual leciona, para conhecer a percepção que estes tinham sobre a assexualidade, ou seja, como veem falta de desejo sexual na perspectiva da orientação sexual. No restante do artigo - que não será abordado nesta postagem - o antropólogo analisa algumas falas de assexuais em postagens na internet, analisado-as a partir de alguns referenciais teóricos da antropologia.
Primeiramente, Munárriz entrevistou, na própria universidade, 12 pessoas que não se consideram assexuais, com o objetivo de saber sua opinião sobre o conceito de assexualidade. Nesses contatos, o pesquisador deparou-se com diferentes visões, entre elas, pessoas incrédulas, que não acreditam que uma pessoa normal não sinta desejo sexual ou que não tenha fantasias sexuais. Uma informante declarou: “Não consigo imaginar uma jovem de 18 anos que seja assexual.”
Outro entrevistado disse: “Isso é contraditório porque todas as pessoas têm desejo sexual, isso é impossível!” Outro declarou: “Se a pessoa não faz sexo, fica ruim da cabeça!” Outro perguntou ao entrevistador, em tom irônico: “E você, é assexual? Tudo bem, ser assexual.” Uma entrevistada mostrou-se indiferente à pergunta e respondeu: “OK, e daí?”, afirmando, em seguida, que ignorava que existisse esse tipo de pessoa, mas que não era surpresa e que não tinha nenhum interesse ou preocupação com esse assunto. Um entrevistado homossexual respondeu: “Todas as condutas deveriam ser consideradas normais, eu acho que é positivo que os assexuais se sintam atraídos por outras pessoas, mas não tenham a necessidade de ter relação sexual.”
Nesta primeira aproximação, Munárriz constatou o enorme desconhecimento e estranhamento sobre a assexualidade que predomina sobre a população entrevistada, mas também uma tentativa de compreensão da assexualidade feita por um entrevistado pertencente a uma minoria sexual. Esse desconhecimento também foi constatado nos três grupos de discussão que ele realizou com estudantes universitários, com o mesmo objetivo, ou seja, saber o que pensam sobre o conceito de assexualidade. Um deles declarou:

A assexualidade e algo absurdo, impossível, já que a sexualidade está no ser humano. Só se a pessoa nasceu com um defeito genético, ou houve algum problema que inibiu seu desejo sexual, caso contrário é totalmente impossível a existência dessa orientação sexual. Eu acho que assexuais não existem.

Essas primeiras entrevistas serviram de base para que o antropólogo elaborasse um questionário simples, que tinha três objetivos: 1) calcular o percentual aproximado de assexuais entre os entrevistados; 2) saber o grau de conhecimento dessas pessoas sobre a assexualidade; e 3) obter uma definição aproximada de pessoa assexual.
Com esses objetivos, o estudioso aplicou o questionário a alunos de diferentes faculdades e campus da Universidade de Murcia. Recebeu 145 questionários respondidos, sendo 79 de mulheres e 66 de homens.
Uma das perguntas feitas pelo pesquisador era sobre a orientação sexual dos respondentes, incluindo as alternativas heterossexual, homossexual, bissexual e assexual. O objetivo dessa pergunta era saber se havia pessoas que se identificavam como assexuais entre os entrevistados. O resultado é que nenhum dos 145 respondentes se identificou como assexual em sentido estrito. Somente um respondente selecionou duas alternativas ao mesmo tempo: heterossexual e assexual. Todos os outros respondentes escolheram uma das outras três alternativas: heterossexual, ou homossexual ou bissexual. Esse resultado pode indicar o total desconhecimento da assexualidade como orientação sexual, ao menos como possibilidade de identificação.
Outra pergunta do questionário dizia respeito ao grau de conhecimento dos respondentes sobre a assexualidade. O resultado comprovou que existe um enorme desconhecimento sobre as pessoas assexuais, podendo isso ter reflexo nos resultados da primeira pergunta. A questão seguinte indagava sobre o grau de interesse dos respondentes pela atividade sexual. Como esperado, considerando que os respondentes eram todos jovens, a maioria revela ter muito interesse pela atividade sexual.
Em uma questão, Munárriz abordou a definição de assexualidade, a partir de duas perspectivas diferentes: a do desejo sexual e da resposta sexual, entendendo o desejo sexual como uma experiência subjetiva dos indivíduos e a resposta sexual como uma resposta biológica do corpo a um estímulo, também conhecida como libido. A esta pergunta, todos os entrevistados afirmaram possuir os dois, desejo e resposta. É altamente significativa a coerência que aparece nas respostas: todos os que têm desejo sexual também afirmam experimentar resposta do corpo a estímulos interpretados como sexuais. O pesquisador não fez nenhuma pergunta em relação à existência ou inexistência de atração sexual – que seria o direcionamento do desejo para outra pessoa - normalmente definida por muitos assexuais como característica de sua orientação sexual. Não está claro se ele compreende desejo e atração como sinônimos. Também não faz indagações sobre existência ou não de orientação afetiva, que também constitui uma parte importante da identidade assexual.
A última pergunta era aberta e indagava a opinião dos respondentes sobre a assexualidade. Um dos entrevistados respondeu da seguinte forma:

Acho que a sexualidade é parte fundamental do ser humano, é algo natural e permite a perpetuação da espécie. A assexualidade pode ter a ver com o medo, talvez o medo do desconhecido, medo dos riscos do sexo.

Em sua pesquisa nas comunidades assexuais na internet, Munárriz revela que não captou esse medo descrito por este respondente nos discursos dos assexuais, muito pelo contrário, os assexuais lhe pareceram bastante confiantes com a identificação como assexual. De qualquer modo, o resultado de sua pesquisa empírica mostra o quanto a assexualidade é desconhecida até mesmo por estudantes universitários, que têm acesso a tecnologias de informação e comunicação, que dirá da população geral que pode não ter esse acesso? E que implicações pode ter esse desconhecimento nas vidas daqueles e daquelas que se identificam como assexuais?
O pesquisador não fornece respostas claras aos objetivos formulados por ele na realização das entrevistas. Munárriz reconhece, no final do texto, as dificuldades em se reconhecer a assexualidade como uma orientação sexual, pois este reconhecimento significaria um grande abalo em tudo o que a ciência e a cultura construíram historicamente sobre sexualidade. Mas seu texto revela uma resistência muito grande por parte do pesquisador em perceber a assexualidade na perspectiva da orientação sexual. Para ele, não existe base suficiente para se aceitar a existência de uma nova identidade sexual e muito menos base para que a assexualidade possa se constituir no motor de uma verdadeira revolução sexual.

TEXTO COMENTADO
Munárriz, L. A. La identidad “asexual”. Gazeta de Antropologia, no. 26/2, 2010, Articulo 40

Prezados leitores, quem estiver interessado em contribuir com minha pesquisa sobre assexualidade concedendo entrevista (pessoalmente ou por e-mail), por favor,  mande uma mensagem para  elisabete.regina.oliveira@usp.br . Os requisitos para participação são os seguintes: ter no mínimo 18 anos (ou autorização dos responsáveis para menores de 18 anos)  e se identificar como assexual/assexuado/a. Trata-se de uma pesquisa inédita no Brasil e colocará nosso país entre os pioneiros na produção de conhecimentos sobre a assexualidade no mundo. Conto com vocês. Obrigada!
Matéria intitulada Trajetória de jovens assexuais é tema de doutorado na USP, que noticia esta pesquisa, feita pela Agência Universitária de Notícias, da USP: http://www.usp.br/aun/antigo/www/_reeng/materia.php?cod_materia=1205211

4 comentários:

  1. Acho que, no fim, acaba sendo bastante ilustrativo.

    O que eu acho complicado é essa expectativa por parte dos pesquisadores, etc. em cima da assexualidade como algo já definido, sólido.

    Eu sempre acho que, para um trabalho acadêmico qualquer, é importante partir de um esforço incial em definir conceitualmente o que é assexualidade. E definir não é simplificar em uma frase ou adotar uma definição já "feita", como a da AVEN.

    Parece haver pouca preocupação com isso, mesmo diante de observações como essa - de que praticamente todos desconhecem o termo (e ainda mais a ideia!).

    ResponderExcluir
  2. Acho muito bacana os estudos e pesquisas do seu blog... Estou criando um blog, mas não de estudos, sim de um assexual em pessoa!!! Achei triste a parte que li em que dizia: "A assexualidade e algo absurdo, impossível, já que a sexualidade está no ser humano. Só se a pessoa nasceu com um defeito genético, ou houve algum problema que inibiu seu desejo sexual, caso contrário é totalmente impossível a existência dessa orientação sexual. Eu acho que assexuais não existem."

    rsrsrs!!! Mas entendo!!! Só que acabo me sentindo alienado... Nós assexuais já não ficamos tão a vontade por nos sentirmos doentes e tal, mas não é isso. Só somos diferentes, e gosto de ser assim, em momento nenhum me fez mal! Adorei seu blog!!! Boa tarde

    ResponderExcluir
  3. Entrei aqui pela primeira vez agora, entrando em links de blogs que dão em outro blogs, que têm outros links e por aí vai... Sou psicóloga mas não sei absolutamente nada sobre o assunto, nunca pesquisei a assexualidade. A minha noção de assexualidade não é técnica ou científica, é pessoal e tem muito de suposição. A verdade é que eu nunca tinha parado para pensar nesse conceito. Eu tenho essa ideia de que assexualidade quer dizer que as relações estabelecidas por uma pessoa não envolverão contato sexual porque ela não sente desejo sexual. O afeto existe e acredito que as pessoas ainda namorem, se casem, etc. Não sei exatamente como essas pessoas se identificam quanto à orientação sexual... elas se identificam como hetero/homo/bi sexuais assexuados? Ou simplesmente como assexuados? (Eu percebo como essa pergunta pode parecer tola!) Digo isso porque consigo imaginar uma pessoa assexuada que só deseja manter relacionamentos com determinada intimidade e profundida afetiva com alguém do sexo oposto, por exemplo. Enfim, acredito que os assexuais formem casais de acordo com algum tipo de orientação sexual (ou seria melhor chamar de orientação romantico-afetiva?) Enfim, está clara a minha confusão, não é? Vi que na pesquisa acima uma das pessoas se identificou como heterossexual e assexuado e isso pra mim fez sentido mas, pelo que li, isso não é exatamente assexualidade, né? Assexualidade significa que essa pessoa só estabelece relações de amizade com pessoas de qualquer gênero e que não há a ideia do casal ou pode também querer dizer que a ideia de casal é fluida? Existe uma assexualidade completa e uma assexualidade relativa (na os pares e formam de acordo com uma orientação específica)? Nossa, mil dúvidas.... Por favor, me ajude a compreender melhor! Já tive pacientes que declaravam ser assexuais mas cada um tinha uma ideia diferente sobre o que era isso. Um grande abraço e parabéns pelo seu trabalho!

    ResponderExcluir